Memórias falsas na Hipnoterapia

Blog_artigo018

A medida que novos estudos, teorias e técnicas surgem, é normal e necessário que venham acompanhados de dúvidas, questionamentos e divisão de opiniões. Logo, um questionamento frequente na hipnose é relacionado a criação de memórias falsas do paciente.

por Thiago Porto e Marina Machado

Em uma sessão de hipnoterapia é comum e importante a interação do hipnoterapeuta com o cliente, buscando o máximo de informações relacionadas à demanda. Porém o hipnoterapeuta deve saber fazer as perguntas da maneira correta, ou seja, formular e pensar bem durante a condução da sessão. Um exemplo claro, é quando fazemos as seguintes perguntas: “Ele(a) foi grosso(a) com você?” ou “Como ele(a) agiu com você?”. São duas perguntas diferentes, porém que buscam a mesma informação, sendo que a primeira em muitos casos pode sugerir inconscientemente que houve grosseria, sem que realmente tenha acontecido isso de fato. Portanto quando o hipnoterapeuta fizer perguntas como a citada a cima, que podem sugerir uma certa resposta a quem a escuta, possibilita a criação das chamadas “memórias falsas”; memórias de interpretações ou percepções que não existiram e podem se formar a partir do estímulo provocado pela pergunta direcionada. As consequências da criação de memórias falas podem ser diversas, mas principalmente o distanciamento do cliente da realidade, e a dificuldade na solução do problema. Pois a Hipnoterapia trata direto a causa através das memórias, e quando essas memórias são distorcidas podendo comprometer todo o tratamento.

 

Para a prevenção de memórias falsas é muito importante o domínio do vocabulário e oratória, procurando fazer sempre perguntas imparciais, sem o uso de adjetivos, exemplos ou citações; perguntas que deixem à vontade o(a) cliente para falar sem estabelecer rótulos. Em uma proporção um pouco menor, mas válida, é importante também evitar expressões que aprovem ou reprovem o que está sendo relatado.

 

Exemplos de perguntas imparciais: “O que acontece neste momento que você está vivenciando?”, “Como você se sente?”, “O que acontece em seguida?”.

 

Grande Abraço
Thiago Porto
www.thiagoporto.com.br
www.institutoversate.com.br

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*